What is your language?

Bornes relacionados com Miniaturas

Buscando...?

sexta-feira, 17 de agosto de 2012

mitomania

O termo āsavā implica aquelas influências que corrompem enraizadas nos seres devido a hábitos saṃsāricos. Estes têm uma tendência de fluir e serem tentados em direção a sensorialidade, existência e ignorância.
Pode ser difícil entender por que a ignorância consta também como um tipo de āsavā (influxo), uma vez que é reconhecida como o primeiro elo na cadeia do surgimento dependente. A ignorância, ou ignorar é, efetivamente,  um hábito. Há uma tendência nos seres saṃsāricos para tatear na escuridão e de aversão à luz. Eles têm a tendência de fechar os olhos à luz e a ignorar. Há facilidade para ignorar e esquecer. Este traço de esquecimento habilita-os a permanecer bastante tempo no saṃsāra.

mais um trecho do venerável ñanananda que faz pensar. faz refletir o primeiro raio de luz que o Buddha lança na escuridão do saṃsāra e em como pomos mãos sobre os olhos, fugimos, desviamos o olhar já desde aí.
talvez não fujamos imediatamente. talvez apenas mantenhamos os olhos semi-cerrados, semi-abertos para a primeira nobre verdade.
quando o Buddha diz que o sofrimento existe, quando abre todo o Seu ensinamento com este postulado, nós até aceitamos. concordamos com Ele: sim, o sofrimento existe. a luz começa a arder nos olhos a partir do momento em que o Buddha continua.
Ele declara taxativamente que só ensinou duas coisas, o sofrimento (dukkha) e seu fim. mas a análise que Ele faz do problema de dukkha, de sua gravidade e abrangência é muito forte, arde na nossa vista. então nos voltamos para aquilo que podemos suportar melhor: o fim do sofrimento. a ironia é que, eu acho, só suportamos esta segunda parte por que a mantemos na penumbra de nossa estupidez. pois o Buddha afirma que para resolvermos o problema precisamos compreendê-lo completamente.
mas se para o escuro fugimos...
apesar de tudo o que Buddha diz em seus discursos investigando e esclarecendo, iluminando o problema, nos mantemos nas sombras do medo de não podermos ser felizes se olharmos para onde a luz aponta, tateando em busca de abrigos que façam sombra, de filtros que nos protejam. temos predileção por aqueles ensinamentos enviesados que afirmam que 'não é bem assim', 'nem tudo é dor', 'a vida é bela' e por aí.
e o ciclo se mantém nutrido pela ignorância, como afirma o venerável acima.
quando o Buddha declara a primeira verdade Ele não quer que acreditemos nela. é uma hipótese de trabalho. algo que precisamos considerar. e devemos considerar porque temos um forte motivo: sabemos que a dor existe, no nível mais grosseiro nós já conhecemos a dor. o que o Buddha nos propõe então, dando continuidade aos ensinamentos, é que se queremos nos livrar da dor precisamos compreendê-la completamente. não deveríamos perder tempo nos escondendo sob questões inábeis do tipo 'como poderei ser feliz?'. algo que o Buddha nos propõe é 'experiencie em profundidade o que você crê que é o ser feliz agora'. só isso.
sem medo.
a primeira nobre verdade é o que ilumina, clareia todo o ensinamento, se permanecemos evitando encarar esta luz, buscando alternativas enganosas e falácias, seremos como sementes que até germinam mas por fim definham se não houver luz.



The term āsavā implies those corrupting influences ingrained in beings due to sasāric habits. They have a tendency to flow in and tempt beings towards sensuality, existence and ignorance.
It might be difficult to understand why even ignorance is reckoned as a kind of influxes, while it is recognized as the first link in the chain of dependent arising. Ignorance or ignoring is itself a habit. There is a tendency in sasāric beings to grope in darkness and dislike light. They have a tendency to blink at the light and ignore. It is easy to ignore and forget. This forgetting trait enables them to linger long in sasāra.
Postar um comentário

Speech by ReadSpeaker